Friday, 29 March 2013

Tidy Friday #6


Finalmente, depois de ter sobrevivido ao shopping no feriado, regressei para escrever a minha querida "Tidy Friday" e ainda bem que saí de casa, porque levar com chuva, crianças aos gritos, tentar não derrubar coisas com a minha mochila etc, etc é horrível!

Thursday, 28 March 2013

Anne Bishop 2nd round: A voz


A voz
Anne Bishop
Editora: Saída de Emergência
128 páginas

Sinopse:


Uma obra original da autora da Trilogia das Jóias Negras, escritora consagrada nos tops do New York Times 
Uma novela pertencente ao mundo Efémera  
Numa aldeia vizinha da cidade de Visão ninguém conhece o sabor da mágoa e da angústia, mas essa comunidade, aparentemente idílica, esconde um segredo tenebroso. Quando era pequena, Nalah não percebia porque a mandavam levar um bolo à menina muda a quem chamavam «A Voz» sempre que se sentia mal. Sabia apenas que isso a ajudava a melhorar. Já crescida, desvenda esse mistério e anseia por fugir da aldeia opressiva onde sempre viveu. Só depois de visitar a cidade de Visão e de conhecer o Templo das Mágoas, compreende o que tem de fazer para se libertar…
A voz é uma noveleta no original com sensivelmente 66 páginas em e-book, traduzido pela Saída de Emergência em Fevereiro deste mês. Para quem já leu Belladonna e Sebastian poderão reconhecer neles um mundo bem construído e com muita imaginação. Embora a minha primeira experiência com a Bishop não tenha sido a mais agradável, "A voz" fez com que eu ficasse bem mais animada e me rendesse à escrita e imaginação da autora. 

Não sei se foi defeito meu de não ter lido nem o Belladonna, nem o Sebastian e, por conseguinte alguns cenários foram um pouco difíceis de imaginar. Essa é a única crítica que tenho de apontar ao livro/conto.

Bishop já tinha dado sinais de alguns temas mais sensíveis na "Filha de sangue", mas " A voz" tem sobretudo um carácter feminista e uma voz bem mais crítica em relação à opressão feminina. Nahlan é a protagonista que vive num mundo onde as mulheres são violadas/violentadas e forçadas a fazerem o que não desejam. 

“. . . I put three drops on her tongue, give her a glob of that mixture we feed her when we aren’t stuffing her with the offerings, then close her up and wait a bit. Once the drug is working, I can spend hours in her mouth, with her tongue lapping and licking. And I know just how far to open the lever for the right tightness.”

Num mundo de opressão, Nahlan luta por alguma justiça, e no Templo das Mágoas, Nahlan consegue libertar-se. Se na Filha de sangue a pedofilia é um tema, aqui a violação das mulheres, aliada à obediência cega aos pais por parte do sexo feminino e não há forma de escapar a este destino.

Honor your parents. Give thanks for them every day. Because an orphan’s life is one of sorrow.

A boca é um símbolo fálico utilizado por Bishop: a Voz tem a boca aberta para receber comida mesmo que não a deseje, tal como Kobrah que é forçada a ter sexo oral drogada. É também pela boca que sai o som, é normal que a Voz seja muda, visto ter a sua boca sempre com bolos. A Voz é o verdadeiro símbolo da opressão: não pode falar (demonstrar os seus sentimentos), é obesa (não pode fugir) e tem de sorrir mesmo sendo prisioneira da terrível aldeia. O que não deixa de ser curioso pensar como é que algo tão doce como bolos que supostamente deviam de alegrar uma pessoa, servem como arma que age contra a Voz.

A Voz pode ser talvez um pouco underrated por parte dos leitores por ser um conto e não um romance, onde muitos julgam que o tema estaria mais desenvolvido, mas, na realidade, Bishop não precisava de mais espaço para o fazer. Nas 128 páginas que compõe a história, sentimos o sofrimento das personagens e a sua luta pela liberdade. Com os seus temas feministas, uma capacidade de contar história fantástica, "A Voz" é um convite maravilhoso de estreia ao resto do mundo de Ephémera do qual fazem parte "Belladonna" e Sebastian".

Wednesday, 27 March 2013

Noite sem fim

Noite sem fim
Agatha Christie
Editora: ASA
E-book com 179 páginas

Sinopse:
Alguns nascem para o Doce Prazer Alguns nascem para a Noite sem Fim Infelizmente, a grande maioria das pessoas que decidem ir viver para o Terreno do Cigano está condenada a uma "noite sem fim", geralmente como resultado de um "acidente". Mas para os recém-casados Michael e Ellie Rogers, aquele parece ser o lugar perfeito para começar uma vida a dois. O casal decide ignorar os avisos sobre uma maldição mortal lançada sobre o terreno. É verdade que acontecem algumas coisas estranhas, mas isso são apenas inconvenientes e não uma maldição. Até que, um dia, ela vai andar a cavalo e não regressa...   "Noite sem Fim" (Endless Night) foi originalmente publicado em 1967 na Grã-Bretanha, tendo sido editado nos Estados Unidos no ano seguinte. Foi adaptado para o cinema em 1972, com Hayley Mills, Hywel Bennett e George Sanders nos principais papéis.  

* * *

Nunca li nenhum livro da Agatha Christie, mas segui a série da BBC. Nisto prefiro o Sherlock ou o Philip Marlowe. Mesmo sem ter lido nada é óbvio que sei que a Mrs. Christie era a "Dama Negra" e por isso estava à espera de algo macabro e insólito a acontecer logo nas primeiras páginas. O livro está dividido em três partes e as respectivas correspondem à evolução do romance e ao desenlace.

"O mundo é um lugar mau"

Eu pensava realmente que o crime ia acontecer nas primeiras páginas e o casamento iria ser feito através de flashbacks. Acredito que se a Agatha Christie vivesse agora, muitas editoras iriam recusar-lhe este manuscrito por o início ser tão aborrecido, mas ainda bem que não porque o fim, meus queridos é dos melhors que já li! O narrador autodiegético (Michael) conta-nos numa primeira parte, sobre a sua vida e como conheceu Ellie. Isto demora sensivelmente 50 páginas. Estas primeiras páginas servem para conhecermos as personagens e como Michael e Ellie se conheceram e apaixonaram-se. Ou seja, Christie suga o leitor para o mundo criado por ela para a queda no fim ser mais alta!

Até que ponto é que tem de haver indícios de que haverá um crime?
O livro está cheio de avisos de que algo correrá mal, o que nos relembra a literatura gótica com a simbologia que rodeia as personagens e avisa o leitor de que alguém irá morrer. As próximas 50 páginas são as personagens a serem avisadas de que haverá uma desgraça, e a ignorarem. Agatha Christie jogou bem com os elementos tradicionais góticos para alertar o leitor, contudo o narrador repete eternamente que algo vai correr mal (o que pode jogar a favor e o leitor esteja ansioso para saber quando é que a desgraça vai acontecer).

Christie joga ainda bem com um elemento surpresa: porque é que a população quer tanto que Ellie e Mike saiam do Terreno dos Ciganos? Os elementos de mistério estão lá, o que faz com que o livro seja de mistério, longe dos empolgantes livros do Piorot. A terceira parte é a que corresponde à tradicional escrita de Christie e a recompensa para quem queria um livro "típico" da autora.

Então, perguntam vocês:

Porque é que devo ler o livro? 

Os últimos dois/três capítulos são tudo o que um leitor pode sonhar! Mostra o quão mentirosos e horríveis as pessoas podem ser, mostra que nem sempre estamos seguros e que acima de tudo. É a reward perfeita, tudo encaixa, tudo faz sentido e sentimos que caímos na armadilha que nem patinhos. Ah Mrs. Christie, you had me there! Como adoro cair nas armadilhas como as personagens e rir-me quando descubro tudo! Adorei o fim, adorei! É tudo o que um leitor quer: o mistério está resolvido, cai o pano de falsidade das personagens e acima de tudo ficamos com uma sensação de euforia dentro de nós! 4 stars for you, madam! E se continuar assim divorcio-me do Marlowe and we shall have our own British Dead Party.

Monday, 25 March 2013

Friday, 22 March 2013

[Selo] Blogue de outro mundo

Descobiraram a minha morada! É desta que as testemunhas de Joevá me rodeiam a casa, ou então vou ter os senhores da Clix a perguntarem se tenho Internet instalada (sim minhas criaturas abençoadas, uma criatura de 24 não tem Internet em casa). Isto tudo por causa deste selo! Descobriram que era de outro mundo.


Tidy Friday #5

Bom dia! Bom dia! Ai meus amores, estou tão feliz que estou mesmo capaz de arrancar uma perna ou um olho a uma personagem minha! Estou mais ou menos assim:

Wednesday, 20 March 2013

Vencedor passatempo Clássicos e paranormal

Bem para não ser acusada de injustiça, tive duas ajudas preciosas para a escolha do vencedor. Um obrigado à Moggo do Cantinho da Moggo e à Inês Montenegro do "Tales of Gondwana". O título vencedor é:

"Sermão de Santo António às Ninfas Pervertidas"
 de Carina Portugal

Ficamos tolas com este título e já estamos a plottar um livro! Agora só queremos ver este livro feito, com o Sto. António a tentar meter as ninfas doidas na linha.

(Se quiserem posso divulgar todos os títulos num post futuro, mas não sem o consentimento dos participantes)

Olhem aqui as marotas! Se não precisavam já de uma lição.

Monday, 18 March 2013

Amanhã defendo um alpha male... curious?

É amanhã! Tomarrow! Tomem uma ovelha para celebrarem...



Amanhã vou participar no duelo de Titãs com a personagem do livro "Big bad wolf" de Christine Warren (ainda não traduzido para pt)

Escrevi a crítica para o site Mad woman in the attic, onde podem ler mais sobre a minha personagem. A quickie em português virá brevemente (esta semana), visto que ontem escrevi as duas quickies e hoje tenho de escrever a crítica em inglês! Ando toda trocada com as línguas agora. Ora vamos lá defender um alpha male com mais uma pila quilométrica!



Sunday, 17 March 2013

Vikings e vampiras: é, não primamos pela originalidade

Death blow
Jianne Carlo
Viking Vengeance #2
Editora: Ethopia Press
E-book (publicado a 8 de Dezembro de 2012)


Um romance erótico com vikings no período de transição para o Cristianismo, mas com espaço para a exploração de alguma mitologia nórdica. Essa parte (a parte das curses) foi a mais interessante e o kicking-point fantástico. Infelizmente o romance peca por personagens bipolares e com Alzheimer. A personagem principal, Nyssa é uma guerreira descendente da Deusa Ægir, que tanto brada aos céus que é forte, como quando mata alguém começa a chorar e diz que é fraca. Ou então diz que é independente e depois acarreta tudo o que Konáll manda. Konáll é o típico estereotipo de macho: mandão, demasiado protector, mas que no fundo só quer passar a imagem de amar a Nyssa demasiado e que ela é uma tonta que não sabe tomar conta dela. Kudos pela imagem mental quando lia uma cena de sexo em que Konáll antes de ter um orgasmo repetia três vezes (sim, eram só três vezes) a palavras “mine”. Não sei se isto é muito prático, e que raios um homem tem na cabeça quando está em cima da senhora e dizer “minha, minha, minha”. Mas um dia descobrirei o motivo de ele ter going all Neandertal para cima dela. I may even try it… já estão a imaginar pedirem aos vossos namorados: Olha quando tiveres a chegar aquele ponto, repetes três vezes a palavra mine, ok? Os vilões são fracos e mal explorados e a resolução é encontrada demasiado facilmente.
Em suma, um livro giro para se passar umas horas e rir um bocado, mas que tinha todos os potenciais para uma boa história. Começa bem, perde-se a meio.

Dark Shadows
Vampirella Tp
Patrick Berkenkotter, Marc Andreyko, Jose Malaga (Ilustração)
Editora: Dynamite Entertainment
114 pages
Publicação em 7 de Maio de 2013

Oh que saudades da minha Vampirella! Daquele gore todo, de ver vampiros e sentir o terror da espinha. Mas eu já não tenho 14 anos (tenho mais dez, ai as cruzes! ... punny, aren't we?) e ao ler este volume como Advanced Copy, gostei mas não posso dizer que seja um número muito bom. O pacing é demasiado rápido e tudo se desenrola com facilidade. Ai o apartamento está revirado, então é claro que foi o não sei quantos! Ai é? É verdade, eu não tenho vampire senses, mas tipo é tudo demasiado rápido e parece que o vilão é que vai ter com a Vampirella e quase que a empurra para ele. Os diálogos estão bem feitos e a personagem Vampirella continua adorável como sempre. O seu ajudante, Barnabas Collins (qualquer semelhança com o filme do Tim Burton não é coincidência, se não sabem a história do Barnabas go read it!) é um sidekick adorable, mas o início parece trapalhão a fazer show/tell de algo que devia de ser mais desenvolvido.
Não sei se este volume agradará a todos, mas certamente que agradará aos fãs da série que esperam ler mais sobre a personagem da Vampirella. Resumindo: bons diálogos, boas personagens, pacing rápido, initial incident demasiado abrupto, bom ending.

Friday, 15 March 2013

Tidy Friday #4

BOM DIA! BOM DIA! Os pássaros cantam lindos e maravilhosos, dormi 10h (oh joy), o Adolfo está ao meu lado a cuscar a vizinhança, amanhã não tenho de me levantar ás 8 da manhã e perdi 3kgs! Ahhh rise and shine, bitchies. Hoje pode ser o dia mais perfeitinho e lindo de sempre... Mas não... não me parece.

Os livros:

Tuesday, 12 March 2013

Zombies, Maria Madalena e surpresa!

Death has come up into our windows
The Zombie bible #1
Stant Litore
Editora: Dante's Heart

Um livro que me deixou um pouco desgostosa, talvez por ter duas palavras fundamentais para se tornar num dos meus livros favoritos: Zombie e Bible! O livro é pequeno e aborrecido, talvez devido à falta de estrutura e de objectivo por parte da personagem principal. As últimas páginas dão um tom completamente diferente do aborrecido e fazem-me pensar que se calhar o segundo e terceiro estarão mais desenvolvidos com acção. Tem uma cena muito boa com o Deus Chemosh, mas de resto é um início de série morno.

A crítica em inglês: https://madwomaninattic.wordpress.com/2013/03/04/zombie-bible-i/

Monday, 11 March 2013

Read all the books!


(Carreguem na imagem se não estiverem a ver bem, porque ela é enorme. Also eu tenho mais livros aqui em e-book, mas achei que ia ficar demasiado grande e assim faço outro post brevemente)

Ai tantas leituras, enquanto ando eu com a Karenina, que é uma fofura (ai Tolstoi perdoa-me mas tu não és nenhum pageturner e há tanta coisa para assimilar e escrever na review, que eu até já pensei em meter uma carrada de post-its).

Entretanto para intercalar com a leitura mais pesada, estou a ler alguns livrinhos em inglês, que aparecerão em forma de quickies. A minha questão é: qual a vossa capa favorita e qual destes (dependendo da capa e do aspecto dela, let's all be shallow) é que gostariam de ver em PT traduzidos pelas editoras?

Por isso, que acham? Estes meninos irão durar 1 mês e meio?




Friday, 8 March 2013

Romance português de boa qualidade

Alma Rebelde
Carla M. Soares
Editora: Porto Editora
288 páginas

Sinopse:


No calor das febres que incendeiam a Lisboa do século XIX, Joana, uma burguesa jovem e demasiado inteligente para o seu próprio bem, vê o destino traçado num trato comercial entre o pai e o patriarca de uma família nobre e sem meios.
Contrariada, Joana percorre os quilómetros até à nova casa, preparando-se para um futuro de obediências e nenhuma esperança.
Mas Santiago, o noivo, é em tudo diferente do que esperava. Pouco convencional, vivido e, acima de tudo, livre, depressa desarma Joana, com promessas de igualdade, respeito e até amor.
Numa atmosfera de sedução incontida e de aventuras desenham-se os alicerces de um amor imprevisto... Mas será Joana capaz de confiar neste companheiro inesperado e entregar-se à liberdade com que sempre sonhou? Ou esconderá o encanto de Santiago um perigo ainda maior?


Bem passado quase meio ano, notei que a minha crítica do Alma Rebelde continuava em inglês! Ai a tragédia, vou já escrever uma em português, de Portugal. Comprei o e-book na Wook através de um vale que eles estavam a dar – fofinhos, fofinhos que nem eles. 

Quando comecei a ler este livro entendi de imediato porque é que ele fora publicado. Boa estrutura narrativa, bom domínio do português e personagens adoráveis. Quando se lê este livro é impossível não pensar em Lisa Kleypas e Johanna Lindsey (nos seus melhores dias). Não é um romance totalmente histórico, mas consegue ter um cheiro da época e muitos diálogos passam esse cheirinho. O que significa que este livro não teve infodump, nem enumerações típicas de alguns romances históricos portugueses. Serve como um livro para ser lido de forma rápida, como uma história de amor.

Tidy friday #3

Feliz dia da mulher!

Wednesday, 6 March 2013

A testemunha da noite

A testemunha da noite
Kishwar Desai
Edições ASA
Páginas: 207
Publicado originalmente em 2010 | Em Portugal 2011
Vencedor do Costa Award 2010 para Melhor Primeiro Romance

Sinopse:
Durga tem apenas catorze anos e está demasiado assustada para falar. Ela foi encontrada na mansão onde vivia, rodeada pelos cadáveres dos seus familiares. É a única sobrevivente. A única herdeira de uma imensa fortuna. É também a única suspeita. Simran é assistente social, bebedora inveterada e fumadora compulsiva. Esta mulher pouco convencional é a única esperança de Durga, já que apenas ela acredita que a menina pode ser mais uma das vítimas e não a assassina. Durga e Simran têm em comum origens privilegiadas num país onde as desigualdades sociais são profundas e a realidade é brutal. À medida que tenta desvendar o mistério daquela noite trágica, a destemida Simran conhece o círculo restrito em que se movimentava a família. De Harpreet, o enigmático tutor de Durga, e a sua mulher desfigurada, à bela Amrinder, a personificação perfeita da alta sociedade, os preconceitos são implacáveis e os segredos são inúmeros. E Simran sabe que não pode descansar enquanto não desvendar toda a verdade… Um galardoado primeiro romance que penetra no âmago da Índia e da sua luta entre modernidade e tradição.
Ao longo da leitura não compreendi muito bem o porquê de ter ganho o prémio Costa, mas depois de chegar ao fim entendi que apesar de ser um livro com alguns problemas, é um romance que sem dúvida nos causa revolta, pelo menos enquanto mulheres ocidentais possuidoras de um cérebro e dois neurónios.

Friday, 1 March 2013

Tidy friday #2


Ainda é cedo para ver se a Tidy Friday é um sucesso, mas como aqui ninguém quer diamantes e louros, continuamos em arrumações, nunca para debaixo do tapete! Vamos lá afiar as unhas e preparar o sumário desta semana.

Esta podia muito bem ser o meu Adolfinho em sepia, na sala com aquela carpete linda!