Monday, 31 December 2012

Desafio literário: BINGO!

Embora não vá participar em nenhum desafio, decidi criar um bingo ao estilo do blogue. Deixem-me apenas referir que:
1. Mary Sue segundo a Wikipedia é:
the "Mary Sue" is judged a poorly developed character, too perfect and lacking in realism to be interesting.

2. Infodump: It is the process of giving information clumsily and inappropriately. For sure you need to tell the back-story, describe your character's personality, and the story's setting. However, all this information should be elegantly woven into the story, not pasted arbitrarily on, or dumped. (Hence the phrase info dump because you're dumping information on the page.)

3. Worldbuild: Worldbuilding is the process of constructing an imaginary world, sometimes associated with a whole fictional universe.[1] The resulting world may be called a constructed world.

4. Thessaurus: O Thessaurus é um dicionário de sinónimos, onde muitas vezes os autores vão buscar sinónimos rebuscados, quando podiam utilizar palavras simples. 5. As críticas negativas e positivas abrangem toda a blogosfera literária e não só este blogue.

Os melhores livros lançados em 2012 para serem lidos em 2013

1. História d’O
Pauline Reage
Editora: ASA


A bela e jovem O testa os limites da sua mente e do seu corpo através de uma sexualidade violenta e inquieta neste romance clássico da literatura erótica. Enclausurada no castelo de Roissy, O submete-se a todos os desejos e fantasias do seu amante. A entrega, total, é-lhe escrita na pele, marcada na carne. Um processo de iniciação que vai levá-la mais longe do que alguma vez imaginou: ao lugar onde o prazer máximo pertence ao outro.
Considerado um dos mais polémicos romances do século XX, História d’O foi galardoado com o Prix des Deux Magots, em 1955.



2. Uma espiã na casa do amor
Anaïs Nin
Editora: Veiga Edições


Uma Espia na Casa do Amor é a história de Sabina, uma esposa adúltera, que se sente dividida entre o desejo de ser livre e a necessidade de amar e ser amada. Na sua jornada de descoberta de si mesma envolve-se com vários homens desconhecidos. Essas experiências são vistas por ela como uma missão em que o seu papel é a de uma "espia internacional na casa do amor". Assim vive a sua vida dupla, enquanto o fiel e indolente marido representa o seu porto seguro no regresso a casa. Os seus disfarces, constituídos de roupas e maquilhagem, representam, na verdade, múltiplas personagens que compensam as suas carências nessa busca de salvação. No final será confrontada com a verdade nua e crua dos seus actos e culminará a sua demanda.

Sunday, 30 December 2012

Os melhores e os piores de 2012 [atenção contem vídeos]

Primeiro gostaria de avisar para colocarem os fones e o som no máximo.
Em segundo gostariam que não se assustassem, this is amateur stuff.
Terceiro, and above all, enjoy =3 Este é o post que se repete todos os anos, onde faço o balanço das leituras, o melhor e o pior. Este ano temos ainda um brinde das desilusões (e ainda nem toquei no álcool). 


Amanhã não percam ainda, os melhores livros lançados em 2012 para serem lidos em 2013!


Os melhores



Friday, 28 December 2012

O que vem aí [2013 - estrangeiro]

Illumination (Hardback)
Matthew Plampin
Editora: HarperCollins Publishers Ltd
400 páginas

Sinopse:
A powerful story of revolution, love and intense rivalry set in 1870 during the four-month siege of Paris. 1870. All over Paris the lights are going out. The Prussians are encircling the city and Europe's capital of decadent pleasure and luxury is becoming a prison, its citizens caught between defiance and despair. Desperate times lie ahead as the worst winter for decades sets in and starvation looms. One man seems to shine like a beacon in the shadows. Jean-Jacques Allix promises to be the leader the people need, to save the city itself. Painter Hannah Pardy, his young English lover, believes in him utterly; taking up arms for his cause, she is drawn into the heart of the battle for Paris. But as the darkness and panic spreads it is harder and harder to see things as they really are, and Hannah struggles to separate love from self-interest and revolutionaries from traitors. Faced with impossible decisions, Hannah must confront the devastating reality of her beloved Paris to establish what truly matters to her - and what she will do to protect it.

Thursday, 27 December 2012

Dizem que tenho mau feitio, mas ...

Em primeiro lugar, quero apenas dizer que um livro que requer só e unicamente a técnica do tell + infodump  e espera que o leitor aceite as palavras nunca irá ser considerado bom. Em segundo, doi-me profundamente que eu leia autoras de romances light Harlequin-style que SABEM o que é um livro e sabem que acima de tudo um livro tem de ter uma história e uma estrutura. 

Lamento que muitos autores portugueses não saibam a estrutura clássica de uma história e pensem que um livro pode ser um apanhado de pensamentos e cenas pseudo-intelectuais - sorry boys and girls, no such luck.

Isto para avisar que, a partir de hoje, qualquer livro que tenha apenas a técnica do tell será deixado de lado sem o ter terminado e a crítica será: Não o terminei porque o/a autor/a não sabem escrever e pensam que sabem. Estou, literalmente, farta de ler IMENSOS* livros portugueses com tell e de ler livros a 2€ onde os autores esforçam-se para fazer show.

Also, quem disser "O tell é uma técnica como outra qualquer, tu tens é inveja, és uma merda" vai levar com livros de escrita criativa na tola para aprender a ficar calado!

Querem escrever, APRENDAM a escrever. Estou farta que os autores portugueses pensem que escrever é apenas quando se está inspirado. LEIAM, cultivem-se, não tenham MEDO de admitir que estudam literatura ou escrita. Porque ler livros que mais parecem composições de escola - NÃO. Sejam humildes, aprendam, cresçam, escrevam, mas não peçam a uma crítica que tape os olhos às coisas básicas de um livro.

Agora vou para o canto respirar fundo e ler o "A song for Lya" do George R. R. Martin.

*não digo todos porque sei que há autores portugueses que se preocupam em mostrar e desenvolver as suas histórias e personagens.

Monday, 24 December 2012

Pilha, what are you doing? Pilha... STAHHP!!

mais conhecido como "Post para terem pena de uma blogger"


Bem antes de acabar o ano novo, tenho a dizer que esta pilha servirá também para Janeiro. Começarei pelos mais pequenos para ler e depois atacarei os maiorzinhos *benzer* Comecei a ler "Onde está o branco em ti?" que é um livro que não se vêm nas livrarias, nem nos blogues. Já vou a 1/3 do Sorriso das mulheres (estava deprimida e prometeram-me um livro que me fará feliz. Se o conseguir já não é mau). Segue-se o mestre Bradbury e depois entram os eróticos "Morde-me" (oh with pleasure) e o Memórias de um leviano que adquiri na abertura da loja das Publicações Europa-América do Porto. Para continuar com os eróticos segue-se o Toque de veludo, da Sarah Waters já minha conhecida e ainda o Poeta da Lua, com dois volumes (mas irei ler apenas um por mês), tenho ainda o Rei do Inverno. Entro no clássico da Anna Karenina e depois a Paullina Simons e o primeiro volume da trilogia O Cavaleiro de Bronze da ASA.

Depois tenho a pilha inglesa:
Anno Dracula - já vou no 5º capítulo
Raven
The Lies of Loch Lamora

Wish me luck! 

Sunday, 23 December 2012

Super heroes are people too!

Watchmen
Alan Moore
Dave Gibbons (artista)
John Higgins (cor)
Editora: DC Comics
Páginas: 408

This Hugo Award-winning graphic novel chronicles the fall from grace of a group of super-heroes plagued by all-too-human failings. Along the way, the concept of the super-hero is dissected as the heroes are stalked by an unknown assassin. One of the most influential graphic novels of all time and a perennial best-seller, Watchmen has been studied on college campuses across the nation and is considered a gateway title, leading readers to other graphic novels such as V for Vendetta, Batman: The Dark Knight Returns and The Sandman series.

Ok, comigo foi um pouco ao contrário, comecei as aventuras na BD com o Sandman e, embora reconheça o valor do Watchmen, I'm a sucker for Sandman and Gaiman's work of fiction. Infelizmente percebo pouco de comics para conseguir espremer os simbolismos, mas passei mais de metade do livro a pensar "Então Moore, quero gore, dá-me gore!" e nas últimas páginas sangue e mortos por todo o lado (e a psycho dentro de mim estava contente).
Moore propôs-se a colocar uma questão que provavelmente poucas pessoas nos anos 80 pensaram: tratar o super-heróis como pessoas, com os seus dilemas e loucuras. Aliás todos estes super-heróis não passam de anti-heróis com capas e muito pouco dos seus poderes são revelados. Watchmen é claramente um comic direccionado para um terror psicológico, imaginar o que poderia acontecer se os heróis virassem vilões e não houvesse ninguém para nos salvar. Por outro lado: who watches the watchmen? (esta frase é a melhor do livro) Os super-heróis descem do pedestal para se tornarem meros humanos desprotegidos, vítimas e sem rumo.
O porquê de eu preferir o Sandman ainda não é bem clara. Embora a minha personagem favorita oscilasse entre o Doctor Manhattan e Roscharch, nada deles se comparou à reacção quando li o Sandman e a personagem Death. Mesmo assim, para quem gostar de anti-heróis, plots complicadas e personagens com tendências para reflexões, Watchmen is for you.

Uma nota final:
Sorry se a review é pequena. Eu dei 4 estrela no Goodreads, porque a nível de muitas coisas o comic está lá. Gostaria de explorar com maior detalhe, mas tenho medo de dizer alguma asneira e ter os comic guys a caírem em cima de mim. Agora tenho IMENSA manga em alemão e inglês que vou nom nomar =3


Wednesday, 19 December 2012

Boas festas

A pilha ainda não desceu, mas isso não significa que vá abrandar as leituras ou parar. Venho apenas desejar um voto de boas festas a todos os que visitam o blogue. Aos leitores, espero que este ano o blogue tenha crescido e esteja mais próximos de vocês. Aos autores de livros, cujas críticas publiquei, espero voltar a ler algo vosso no ano que aí vem. Às editoras com que colaborei, um obrigada por terem acompanhado o blogue este ano.


Mais tarde irei colocar no blogue mais críticas e estou a tentar gravar um vídeo com o já conhecido top de leituras.

Wednesday, 12 December 2012

Um ano depois...

Não quis fazer o balanço do meu e-reader poucos meses depois de o começar a utilizar. Acredito que ele tinha muito ainda para me mostrar pelo que decidi usar e abusar dele (oh baby, I have tried) durante um ano. Chegou a hora de fazer um balanço: um ano, um e-reader.



FICHA TÉCNICA:

ENERGY SISTEM Leitor de livros Electrónico Multimedia Color Book 2074 Rubber Black
P.V.P: 79,90€
Garantia: 2 anos

O menu
- Ecra de 7" TFT LCD a cores com formato panorâmico (800x480 píxeis).
- Permite ler e ouvir música ao mesmo tempo pelo altifalante integrado ou pela saída para auscultadores.
-Suporta Adobe ® DRM (Digital Rights Management) em PDF e EPUB
- Bateria de lítio recarregável de 2800mAh.
- Inclui 1.500 obras clássicas da literatura universal.
- Formatos suportados: TXT, HTM, PDF, EPUB, FB2, RTF, PDB, MOBI, WMA, MP3, WAV, JPEG, BMP, PNG, GIF, WMV, AVI, FLV, ASF, 3GP, VOB, MP4, MPG, MPEG.
- Funções: marcador de páginas, ajustamento de níveis de zoom, rotação de ecrã, visualizador de imagens, etc.
- Interface de usuário em vários idiomas, fácil e intuitivo.
- Recarga através de conexão USB ou Jack DC. Cabos USB e USB-DC incluídos.
- Memória interna: 4GB (3,6GB disponíveis para armazenamento).
- Bateria de lítio recarregável de 2800mAh.
- Sistemas operacionais: Windows 2000/XP/Vista/7, Linux, MacOS 9.x/X ou posterior.

O senhor Heilein também de lado
Aspectos positivos:
- A leitura de .epubs/ e .mobi é muito boa;
- Ler enquanto se ouve música é Godlike! Primeiro ninguém nos chateia porque notam que estamos a ler. E depois, para melhorar a situação ainda estamos de fones. Ou seja, alienados do mundo... eu.. os livros... a música... Ideal para anti-sociais.
- Dá para ver filmes ou séries (já que é um pseudo-tablet). Não sei se a bateria irá durar muito, mas é capaz de dar com luminosidade no mínimo e settings no mínimo.
- Como é a cores tem outro appealing. Embora não leia .cbz (extensão de comics) que converterem para .pdf funciona na boa.
- Dá para carradas de e-books, músicas etc e ainda tenho 2gb de memória livres (sem cartão extra).
- O preço é muito bom, em relação a oferta-preço e qualidade-preço (custa menos que um Kindle e lê mais formatos e com melhor qualidade).
- É fácil de utilizar e intuitivo.
- Tem uma parte com shelves muito kawaii, onde tem as capas dos livros como se fosse mesmo uma estante (como se vê na imagem).
- Dá para guardar as páginas que deixamos (ele faz isso automaticamente em epubs e mobis).



Está um pouco de lado... mas dá para ver!
Aspectos negativos:
- A bateria não dura muito. 1 semana tops - 2 se formos fofinhos e simpáticos e não abusarmos. Eu gosto de abusar das engenhocas, por isso toca a ler todos os dias 3h com música aos berros.
- A leitura de alguns pdfs é um pouco merdosa. Mas pelo que tenho visto todos os e-books lêem mal .pdfs. As conversões ficam muito bem, mesmo no calibri.
- Não dá para sublinhar, nem tirar notas.
- Os pdfs não guardam as páginas, mas podem sempre fazer jump e seleccionar as páginas (têm de ter boa memória).

No geral é um bom e-reader para o preço. Serve o seu propósito e ainda mais tendo em conta que não é conhecido no nosso mercado. Não tem ligação à Internet, o que pessoalmente é um grande plus, posso simplesmente descarregar directamente do PC para a engenhoca. Mais barato que o Kindle, com mais funcionalidades e ficheiros de leitura, a bateria não dura tanto, mas também nada que o carregador não resolva. Funciona bem em relação ao Calibri com compatibilidade. Não sinto muita diferença de ler um livro em papel ou no e-reader, mesmo que não seja ecrã e-ink, já passei uma hora enfiada no e-reader a ler um livro. Ou seja o poder de imersão é tão bom ou melhor que o de um livro em papel.
Para quem não sabe o que arranjar, tem aqui uma prenda para quem gosta de livros e quer gastar pouco (especialmente com o mercado de e-books estrangeiro gigantesco).

Tuesday, 11 December 2012

ESCRYTOS

ESCRYTOS
Apresentação da nova plataforma de autopublicação da LeYa



A LeYa apresenta a Escrytos, uma plataforma que permite que qualquer pessoa faça a autopublicação em formato digital dos seus livros e textos originais, e que os comercializa nas principais lojas online de todo o mundo.

A Escrytos (www.escrytos.com) entra em funcionamento neste dia 11 de dezembro e apresenta-se com claras vantagens, em termos de usabilidade e, sobretudo, ao nível dos serviços que disponibiliza e da rede de comercialização. Para o autor, a Escrytos é, não só, uma ferramenta valiosa que lhe permite divulgar o seu trabalho com ou sem a mediação da editora mas é, também, uma plataforma onde pode beneficiar de um conjunto de serviços editoriais e de uma rede de comercialização ímpares.

Ao criar o seu eBook na Escrytos o autor está automaticamente a disponibilizar a sua obra a milhões de leitores, através das mais significativas lojas online à escala planetária, aproveitando da melhor forma um fenómeno que tem vindo a ganhar milhões de adeptos em todo o mundo – e que se tornou uma fonte útil de conteúdos para maioria das editoras, dando inclusivamente origem a variados casos de sucesso.

Para a LeYa, esta plataforma vai ao encontro daquela que tem sido a sua estratégia no contexto da estimulação da criatividade editorial e até mesmo no da procura de novos talentos de língua portuguesa. A ESCRYTOS junta-se a outras iniciativas da LeYa que contribuem para a criação de uma verdadeira comunidade que permite a todos os que escrevem em português a expressão das suas ideias, do seu pensamento e da sua obra, dando assim novo e original uso à língua comum a centenas de milhões de pessoas por todo o planeta.

O que a Escrytos vem oferecer

Esta nova plataforma de autopublicação disponibiliza um completo manual de instruções para a conversão de ficheiros word para o formato mais comum de e-Book (ePub) e um vídeo tutorial que facilita a tarefa de inserção de conteúdos, paginação, aplicação de capas e finalização. A Escrytos sugere ainda o software necessário para esta conversão.

O site dispõe de uma área onde os autores podem criar gratuitamente a capa do seu livro, dando acesso a um programa de fácil utilização para que o próprio autor proceda à escolha de imagens, cores, formatos e fontes gráficas, concebendo assim a sua própria capa.

A Escrytos dá, também, acesso ao processo de criação do código ISBN, um serviço gratuito e um procedimento simples e obrigatório para todas as publicações.

Os autores que recorram à Escrytos podem pedir um Parecer Editorial, serviço pago que permite que seja feita, por editores profissionais, uma avaliação prévia da qualidade dos textos, sobretudo de poesia e ficção. Neste enquadramento, os autores podem ainda contratar serviços de Edição, para aprimorar o seu trabalho e fazer com que seja apresentado com mais qualidade. Seguindo a mesma lógica, o recurso a serviços de revisão de texto é outra das possibilidades desta plataforma.

No que diz respeito à conversão do texto em formato ePUB, se o autor preferir não optar pelo serviço gratuito disponibilizado na Escrytos, pode recorrer aos serviços de Conversão ePUB Profissional.

A Escrytos disponibiliza, igualmente, serviços que ajudam a promover os livros publicados tais como a elaboração e difusão de um press release e a criação de um booktrailer.

O autor dispõe de uma zona exclusiva reservada à publicação dos livros em formato digital, e onde poderá acompanhar a evolução da publicação, subscrever serviços editoriais e de promoção, acompanhar as vendas dos seus livros bem como atualizar os seus dados pessoais.

Como se publica na Escrytos?

Para publicar um eBook através da Escrytos o autor deve começar por se registar em www.escrytos.com e, no menu “autor”, seguir as instruções contidas na opção “publicar livro”. Qualquer pessoa que tenha um original escrito, e que detenha todos os direitos autorais sobre o mesmo, poderá aqui publicar um livro. Para isso, necessita apenas de ter um conteúdo em formato Word e registar-se na plataforma.

A publicação na Escrytos pode ser feita de forma totalmente gratuita. Os autores poderão, no entanto, utilizar os serviços editoriais ou de promoção da Escrytos cujos preços estão especificados no menu “serviços”. Uma vez terminado o processo de publicação e definido, pelo autor, o preço do seu livro digital, o mesmo ficará à venda em todas as lojas online parceiras da Escrytos (Almedina, Amazon, App Leya na App Store, Barnes & Noble, Bookwire, Fnac.pt, Gato Sabido, Google, IBA, iBook Store, Kobo, LeyaOnline, Livraria Cultura, Mundo Positivo, Mybooks, Numilog, Reader's Hub da Samsung, Submarino, Wook) e todos os parceiros com quem a Escrytos vier a estabelecer acordos de distribuição.

O que acham os escritores/ aspirantes a escritores ou editores?

Monday, 10 December 2012

Título adequado NOT FOUND


Nalini Singh:

  • Bela e destemida
  • O despertar do prazer

Diana Palmer:

  • Um momento de loucura

Sheri Whitefeather:

  • Uma intensa atracção

Irão precisar de:
- Um personagem com passado criminoso/ com uma bad atitude/ rico (de preferência);
- Uma personagem inocente/ frágil/ problemas de dinheiro ou sáude/ virgens também dá;
- Adicione um conflito: barões da droga/ máfia/ casamento de conveniência;
- Acrescente algumas cenas de sexo;
- Finalize com happy ending and all ends well.

Basicamente é este o esquema dos livros. Embora a fórmula seja sempre a mesma, existe uma noção perfeita de conflito e do que é necessário para a plot avançar de forma automática, para uma leitura fluída. As personagens não apresentam profundidade, são na sua maioria fáceis de descrever. As mulheres ou são virgens/ inexperientes/ inocentes ao passo que os homens são mais velhos/ experientes/ ricos ou bem na vida. Incomoda-me um pouco que as personagens femininas tenham que ser colocadas numa posição frágil, com dívidas para que o homem consiga destacar-se como boa pessoa. Afinal porque não deveríamos de ter mulheres que sabem defender-se sozinhas e os homens pudessem ajudá-las numa maior igualdade? São giros para lerem-se em uma hora, mas nada mais. Se quiseres podem também analisar à luz dos gender studies e então aí sim... dá um ensaio de como a Mary Wollstencraft rebolava no caixão ao ver passado dos séculos as mulheres na ficção a comportarem-se como mulheres no século XVIII.

PS: Um obrigado ENORME à Inês Santos do blogue "Ler por gosto não cansa" pelo empréstimo.

Vencedora do giveaway "A musa de Camões"

Obrigado às 63 pessoas que participaram no giveaway! Tenho a anunciar que a vencedora foi:

46: Carina Daniel

A todos que participaram, para a semana haverá novo giveaway, desta vez com livros de viagens.

Saturday, 8 December 2012

Nanozine 1

Agora que comecei a converter as Nanozines em .epubs e a rever os textos, deixo aqui as críticas aos contos referentes ao primeiro número. As críticas serão independentes da minha posição dentro da revista. Não pretendo denegrir o trabalho de ninguém, nem quero que julguem que estou a fazer publicidade. Estas críticas serão imparciais, não obstantes à minha participação na revista. As críticas serão apenas aos contos e não à qualidade do grafismo.

Loucura de Marcelina Leandro:
***
Um conto breve com densidade psicológica que deixa algumas perguntas no ar. Não é dos melhores da Marcelina (considero o seu último conto do Carrossel na Nanozine 7, o melhor dela). Contudo é sempre bom ver autores multifacetados.


Psicotécnico de Diana Tavares:
*
Mais extenso, mas mais fraco. Repleto de clichés: cadeira de dentista é horrível e traz más memórias (A sério parem com os estereótipos! Eu ADORO ir ao dentista, porque sei lá, se estou com dores, depois do dentista fico SEM dores!) O conto parece mais uma composição de escola, devido à quantidade de tell e de conjunções desnecessárias. O conto incluía algumas gralhas que inclui que o modelo do mp4 seja mp5... Ok para quem não sabe, MP5 é uma metralhadora! Uma metralhadora ao lado de uma Wii... This is not “Amurica”.

O cornudo de Joel Puga:
***
Ainda que breve, gostei da mistura entre fantasia e narrativa escrita a modos da oralidade tradicional portuguesa.

O cálice da vingança: Parte 1 de Adoa Coelho:
****
Depois de ler todas as partes, julgo que esta primeira é a melhor. Pode ser lida independentemente, deixando um gosto doce no leitor. Escrito de forma inteligente e convidativa, este conto serve para entreter vários tipos de público e funciona sozinho, sem as outras partes. O melhor da Nanozine 1.

Wednesday, 5 December 2012

Nem a propósito

Estava eu hoje no meu almoço a falar de Anna Karenina e aparece-me ela hoje no e-mail ^_^ Embora a minha edição seja com a tradução de Saramago, encontra-se danificada. Por isso para quem quiser uma edição nova, com o poster do filme (um pouco mais apelativo). Apesar de ter o livro, a licenciatura em literatura qualificou-me com massive spoilers sobre a história e o fim! Mesmo assim é escusado dizer que ADORO Madame Bovary e a Dama das Camélias *.* Claro que eu aconselho toda a gente a ler este livro, mas sou um pouco suspeita por adorar estas histórias. A Anna Karenina não é um livro light!

Anna Karenina 
Leão Tolstoi 
Colecção: Clássicos
Preço: 38.62€
Páginas.: 872

Um clássico intemporal! Por entre o frio de Moscovo e as neblinas geladas de São Petersburgo, uma história de amor imortal que nasce com um simples olhar. Uma paixão trágica que tudo abandona para se dedicar ao amor de um único homem. Uma heroína tão intensa e comovedora como Madame Bovary e a Dama das Camélias, que eternizou o nome de Leão Tolstoi colocando-o na galeria dos grandes génios da literatura universal. 

«Já se disse que a obra de Shakespeare, a de Balzac e a de Tolstoi são os três maiores monumentos erguidos pela Humanidade à própria Humanidade. Estou cada vez mais convencido de que isso é verdade!»

André Maurois Agora numa nova adaptação cinematográfica de Joe Wright, realizador de Orgulho e Preconceito e Expiação, com Keira Knightley e Jude Law, nos principais papéis, Aaron Taylor-Johson e Kelly Macdonald.

Leia o livro. Veja o Filme. 
Estreia a 6 de Dezembro nos cinemas Zon Lusomundo!

Tuesday, 4 December 2012

Tomorrow is the big day


Amanhã é o dia de defesa de tese. Passado um ano vou finalmente defender o meu projecto. Estou uma pilha de nervos e a tremer por todos os lados! Ainda nem sei o que vestir e acho que já fiquei sem mais unhas para roer. Depois de amanhã prometo que volto às leituras asap! Ah e à escrita... e às revisões. Oh dear. Tenho estes livros em atraso para ler para o mês de Dezembro. Não irei ler mais nada durante este mês, como vêm já é bastante!

Saída de Emergência:
- Algo maligno vem aí
- O rei Inverno
- Alex 9

Bizâncio:
- Toque de veludo

Chiado Editora:
- O poeta da lua

Publicações Europa-América:
- Memórias de um leviano

LEYA:
- Quando Lisboa tremeu

Harlequin: (obrigado à Inês Santos do blogue Ler por gosto não cansa)
O despertar do prazer
Bela e destemida
A magia de um beijo
Um momento de loucura

Oceanos:
Morde-me